Press "Enter" to skip to content

Imperatriz Teodora de Bizâncio – Mulheres incríveis #04

Teodora imperatriz bizantina (497-548), nascida em Constantinopla (hoje Istambul), foi esposa do imperador Justiniano I e, certamente a mulher mais poderosa da história bizantina. Sua inteligência e perspicácia política eram lendárias, e ela teve grande influência no reino.

Suas capacidades extraordinárias fizeram dela a conselheira de maior confiança de Justiniano e permitiram que ela usasse o poder e a influência de seu cargo para promover políticas religiosas e sociais que favoreciam seus interesses.

Por que a Imperatriz Teodora foi tão importante?

Ela foi alguém que, como escreve JW Barker (1966), “escalou seu caminho de uma vida entre os resíduos da sociedade humana até o auge da ambição humana”. Além disso, sua contribuição para a melhoria do status das mulheres na sociedade foi considerada incrivelmente valiosa. Teodora abre caminho para uma série de mulheres fortes e independentes no Império Bizantino, tais como Maria Bagrationi, Ana Comnena e Ana Dalassena, entre muitas outras.

Teodora, imperatriz bizantina
Teodora, imperatriz bizantina

Quem é a Imperatriz Teodora?

Os apreciadores da arte e da sensibilidade artística encontrarão enorme estímulo para os sentidos na Basílica de San Vitale, uma antiga igreja católica romana localizada em Ravenna, uma pequena cidade portuária no nordeste da Itália que é frequentemente descrita como “a capital dos mosaicos”, devido às magníficas obras de arte medievais que decoram muitos de seus sítios arqueológicos. Enquanto os olhos desfrutam desse milagre estético, uma mente vigilante pode inesperadamente ficar surpresa ao se deparar com uma estranha diferença entre a época em que a igreja foi construída, o século 6 dC, e dois de seus mais luminosos mosaicos. Uma do imperador Justiniano e a de sua esposa e imperatriz Teodora , que adornam as paredes laterais opostas da abside.

“As imagens bizantinas não ilustram simplesmente; também encapsulam a ideologia”, argumenta Liz James (2001). E ao refletir sobre isso, o que levanta algumas sobrancelhas é o fato de que ambas as figuras centrais desses mosaicos estão simetricamente opostas uma à outra, sendo idênticas em altura, tamanho e embelezamento, apresentando assim abertamente, como LeBel e McLaughlin afirmam, a igualdade de gênero entre eles, e conotando que o papel da imperatriz foi equivalente ao do imperador no que diz respeito ao governo do império.

A Revolta Nika

O papel ativo de Teodora na política bizantina e o firme apoio que ela deu ao marido são melhor revelados pelo incidente da Revolta de Nika de 11 a 19 de janeiro de 532 d.C. Este foi um distúrbio infame causado por facções de apoiadores no Hipódromo de Constantinopla. As verdadeiras causas de reclamação foram os aumentos de impostos de Justiniano (para pagar por suas incessantes campanhas militares) e sua autocracia geral, mas o motim foi desencadeado pela recusa do imperador em perdoar os apoiadores de Azul e Verde por uma explosão recente de violência no Hipódromo. Juntando forças pela primeira vez, e usando o canto “Conquiste!” ( Nika ), que eles geralmente gritavam com o cocheiro em particular que estavam apoiando em uma corrida, eles se organizaram em uma força efetiva.

Justiniano I

O problema começou com a aparição de Justiniano no Hipódromo por ocasião das primeiras corridas dos jogos. A multidão se voltou contra o imperador, as corridas foram abandonadas e os manifestantes saíram do Hipódromo para atacar a cidade. Eles deixaram um rastro de destruição impressionante onde quer que marchassem, incendiando a Igreja de Hagia Sophia, a Igreja de Santa Irene, as Termas de Zeuxipo, o Portão Calce e uma boa parte do fórum Augustaion incluindo, significativamente, o Senado. O ponto de partida de toda essa destruição, o Hipódromo, escapou com apenas pequenos danos. O motim tornou-se uma rebelião em grande escala e Hypatios, o general e sobrinho de Anastácio I (r. 491-518 d.C), foi coroado no Hipódromo como o novo imperador pelos manifestantes.

Justiniano não seria empurrado com tanta facilidade de seu trono, embora seja Teodora quem tenha o crédito de persuadir o imperador a não fugir da turba e permanecer firme e lutar. Suas palavras naquele momento crucial foram registradas por Procópio da seguinte forma:

Não me importa se é ou não apropriado para uma mulher dar conselhos corajosos a homens assustados; mas em momentos de extremo perigo, a consciência é o único guia. Todo homem que nasce à luz do dia deve morrer mais cedo ou mais tarde; e como pode um imperador se permitir tornar-se um fugitivo? Se você, meu Senhor, deseja salvar sua pele, não terá dificuldade em fazê-lo. Somos ricos, existe o mar, existem também os nossos navios. Mas considere primeiro se, quando chegar à segurança, você não se arrependerá de não ter escolhido a morte como preferência. Quanto a mim, mantenho o antigo ditado: a realeza faz a melhor mortalha. (citado em Brownworth, 79-80)

A causa imperial foi grandemente ajudada pelos talentosos generais Belisário e Mundus, que impiedosamente reprimiram a revolta massacrando 30.000 dos perpetradores dentro do Hipódromo. Hypatios, que não desejava realmente ser coroado pelos desordeiros, foi executado mesmo assim. Nenhum jogo foi realizado no Hipódromo por vários anos após a crise, mas uma consequência feliz de todo o episódio destrutivo foi o programa de reconstrução necessário que resultou na construção da versão atual da igreja de Hagia Sophia.

Hagia Sofia

De menina pobre a Imperatriz

Antes de subir ao trono do Império Bizantino, a vida de Teodora foi diametralmente oposta. Seu início é descrito por Austin (2010) como ‘extremamente humilde’, pois ela nasceu em uma família de circo e cresceu na sociedade do Hipódromo de Constantinopla. A morte prematura do pai a levou a se tornar uma ‘atriz’, termo que, como afirma Gregory (2005), “é sinônimo de prostituta nos dias modernos”.

Artigo Relacionado  Maria Bagrationi - Mulheres Incríveis # 01

Os eventos que marcam esse período de sua vida foram descritos pela primeira vez por Procópio de Cesaréia, o mais eminente historiador da época. Sua “História Secreta”, uma narrativa escandalosa que recebeu crédito universal, foi a principal fonte dos acontecimentos da vida da não-coroada Teodora e que resultou em sua total difamação. Procópio usa os termos mais audazes ​​para discutir Teodora. Como afirma Lankila (2008), ele foi influenciado tanto pelas ideias da sociedade em torno dos membros das classes mais baixas quanto por visões desfavoráveis ​​preexistentes sobre as mulheres. Como consequência, o que é atribuído a ela é um status lascivo e uma vida tão depravada que era incomparável. Para entender o quão nocivos esses textos são, pode-se argumentar que a declaração de CE Mallet (1887) de que “desde a data da publicação da História Secreta , Teodora foi condenada” descreve adequadamente o grau de mancha que seu nome sofreu.

Dizia-se que Teodora tinha uma rotina particularmente sinistra envolvendo gansos. A História Secreta de Procópio , no entanto, é considerada quase universalmente como uma peça de fofoca ultrajante com alguns fatos acrescentados para autenticidade. A atitude do escritor para com Justiniano e Teodora é a de que claramente que eles foram a pior coisa que já aconteceu ao Império Bizantino (em contraste com as obras oficiais que ele escreveu sob o patrocínio de Justiniano, que são adequadamente elogiosas às realizações do imperador na guerra e, especialmente, na arquitetura). Procópio também atacou Antonina, a esposa de Belisário (o general mais talentoso de Justiniano), e ela é retratada conspirando constantemente com Teodora para criar um palácio de intrigas. Talvez seja importante considerar, também, que nosso conhecimento de Teodora vem apenas de autores do sexo masculino e uma mulher desempenhando qualquer outro papel que não o tradicionalmente submissa na sociedade bizantina estava fadada a ser, na melhor das hipóteses, desaprovada e, na pior, totalmente demonizada.

Antes de se casar com Justiniano, sobrinho do imperador Justino (r. 518-527 d.C), em 525 d.C, Teodora deixou as areias do Hipódromo para viajar para o Norte da África aos 16 anos, como companheira de um oficial e lá permaneceu pelos quatro anos seguintes. No caminho de volta para Constantinopla, Teodora parou em Alexandria, onde adotou o monofisismo, um ramo não ortodoxo do cristianismo. Após sua conversão, Teodora mudou seu estilo de vida e passou a ganhar a vida como fiandeira de lã ao retornar à capital.

O casamento entre uma figura tão humilde como Teodora e um futuro imperador era estranho, mas havia uma tradição na corte bizantina de imperadores se casarem com as vencedoras de concursos de beleza organizados para esse fim. Os participantes de tais competições podiam vir de classes mais baixas e de províncias distantes, então tais incompatibilidades não eram desconhecidas. O status humilde de Teodora não foi ignorado por todos, e um oponente particularmente apaixonado foi a Imperatriz Lupicina Euphemia, de fato, sua morte parece ter removido o principal obstáculo ao casamento. Justino I chegou mesmo a emendar as leis (Justiniano que era senador, não podia casar com uma atriz) para permitir o casamento e legitimar a filha ilegítima de Teodora. Procópio também afirma que havia um filho ilegítimo, mas nenhuma outra fonte confirma isso.

A Imperatriz, 20 anos mais jovem que o marido, é descrita por Procópio como baixa mas atraente, defensora das cerimônias da corte e amante do luxo. Teodora foi coroada como imperatriz na mesma cerimônia de coroação que seu marido em 1º de abril de 527 d.C. Justiniano havia insistido que sua esposa fosse coroada como sua igual e não como sua consorte. Os dois também se igualaram em inteligência, ambição e energia, e com sua pródiga coroação na Hagia Sophia, eles pareciam anunciar uma nova era para o Império Bizantino e seu povo.

Que Teodora de que devemos nos lembrar?

Muitos dos eventos de sua vida posterior são menos conhecidos. A vida de Teodora tomou uma trajetória totalmente diferente ao conhecer Justiniano. Por meio do casamento, ocorrido após a institucionalização de uma lei especial, visto que era ilegal para homens senatoriais se casarem com cortesãs, ela foi promovida à posição mais alta em uma sociedade com consciência de classe. O papel dela foi essencial para a expressão do papel imperial do marido. Isso deu a ela a capacidade de exercer poder político. Consequentemente, ela ocupou uma posição excepcional de influência nos assuntos políticos, como nos informa Vasiliev (1958), e sua opinião teve que ser levada em conta nas decisões do imperador.

No entanto, a ascensão de Teodora ao trono não a fez esquecer de onde veio. Sua experiência em primeira mão dos males que as mulheres de classe baixa podiam enfrentar transformou-a em uma mulher de grande filantropia, que generosamente ajudou aqueles que viviam escravos da sociedade estritamente patriarcal e misógina de Bizâncio (James, 2009). Parafraseando Diehl (1905), pode-se argumentar que seu espírito feminista se baseava na seguinte frase da Eneida de Virgílio (29-19 aC; 2008): “Não sendo estranho ao infortúnio, aprendi a receber os sofrimentos dos outros”.

Artigo Relacionado  Ana Dalassena - Mulheres Incríveis # 02

Portanto, seria prudente não julgar Teodora de forma tão severa em relação à ética de sua infância. No entanto, seria construtivo esboçar um retrato baseado em sua caridade.

Coleção Dolce & Gabbana Inverno 2013 / Mosaico Imperatriz Teodora Basílica de São Vital, Ravena Itália

Uma paladina das mulheres

Lynda Garland (1999) menciona que “grande parte da legislação de Justiniano estava preocupada em proteger as mulheres e seus direitos”. Claro que, mesmo naquela época, a violência contra mulheres e meninas, um fenômeno global, foi escondida, ignorada e aceita. Teodora sabia disso e, portanto, pretendia fazer um esforço a seu favor. A sua influência em muitas reformas e legislações relativas ao estatuto e proteção da mulher, embora latente, foi decisiva. Teodora deixou a sua marca em três áreas distintas: o fortalecimento da instituição do casamento, o banimento da prostituição e a prestação de assistência aos traumatizados.

Para Teodora, o casamento era a “mais sagrada de todas as instituições”, como destaca Diehl (1979). Suas convicções foram totalmente apoiadas graças a uma série de leis que ampliaram os direitos das mulheres. Um primeiro grande passo foi dado graças à legitimação dos casamentos entre homens e mulheres de diferentes classes sociais. Nesse sentido, o casamento entre cidadão e ex-escrava, ou mulher que já tenha sido atriz, deveria permanecer válido, mesmo que o marido seja senador. Uma reforma semelhante permitiu que os senadores se casassem com as filhas de donos de tavernas ou cafetões. Além disso, o dote foi descrito como “estritamente desnecessário” e rejeitado. Como afirma a lei proclamada por Justiniano: “afeto mútuo é o que cria um casamento”. Em outras palavras, o principal pré-requisito para um casamento foi definido como o consentimento da mulher e do homem.

Nenhuma mulher, portanto, poderá ser forçada a se casar com homem algum. Qualquer mulher poderá se casar com o homem de sua escolha.

Teodora, Imperatriz de Bizâncio

Embora as leis em torno do casamento tenham sido afrouxadas, também era possível pedir o divórcio, mas isso se tornou mais difícil. Uma mulher pode se divorciar de seu marido por traição, atentados contra sua vida e ser falsamente acusada de adultério, enquanto um homem pode se divorciar de sua esposa se ela cometeu adultério, estava fora de casa e não com seus pais ou o traiu. O assassinato de esposas adúlteras era estritamente proibido. Embora esses motivos possam parecer ridículos para nós, eles foram particularmente progressistas e benéficos para as mulheres da época. Isso se torna ainda mais evidente se considerarmos que se uma mulher quisesse ficar com seu marido, ela teria apenas que viver de acordo com diretrizes específicas. Portanto, como os maridos não podiam simplesmente decidir se divorciar de suas esposas, isso permitiu às mulheres melhores oportunidades de obter status. Como Thomas (2005) argumenta,

“esta lei foi extremamente benéfica para o respeito das mulheres e ajudou os homens a vê-las mais como seres humanos”

No entanto, para justificar a caracterização de Diehl (1979) de Teodora como “profundamente feminina”, precisamos examinar as leis contra a prostituição. Seu interesse em ajudar os desafortunados é demonstrado nas seguintes palavras de um decreto imperial, que foi claramente inspirado por ela:

Mosaico – Imperatriz Teodora

“Criamos magistrados para punir ladrões e ladrões; não somos ainda mais estritamente obrigados a processar os ladrões de honra e os ladrões de castidade?”

Indiscutivelmente, sua exposição precoce às realidades de uma educação de classe baixa e sua consciência de todos os males que as mulheres dessa classe poderiam sofrer, levaram-na a ter um interesse pessoal por tais questões. Isso está intimamente relacionado às ações de caridade que ela empreendeu, de acordo com historiadores. Isso incluiu reformas na regulamentação da prostituição e também a criação de estabelecimentos para mulheres nas ruas, onde elas pudessem receber ajuda e orientação (Garland, 1999).

A prostituição sempre foi um problema, especialmente na capital do império, Constantinopla. Numerosos eram os cafetões que conduziam seus negócios em bordéis, vendendo os corpos de outras pessoas. As meninas eram forçadas a contragosto a uma vida de falta de castidade depois de serem atraídas para longe dos pais por promessas de roupas ou comida e por serem levadas a acreditar que seus contratos ou promessas feitas a seus cafetões eram legítimos. Teodora, aspirando a acabar com suas dificuldades, concebeu uma série de planos para acabar com esse fenômeno. Já em 528 DC, ela estava envolvida em ações contra cafetões e donos de bordéis que estavam forçando meninas pobres à prostituição. Ela ordenou que todas essas pessoas fossem proscritas e presas. Ela também pagou para que as meninas fossem libertadas deles Nilson (2009). Como um recurso para sua nova vida, ela presenteou as meninas com um conjunto de roupas e ofereceu ajuda monetária a cada uma delas. Desta forma, o estado foi limpo da poluição dos bordéis e as mulheres que lutavam contra a pobreza extrema receberam uma forma de se tornarem independentes.

Artigo Relacionado  Lívia Drusilla - Mulheres Incríveis #03

Sua benevolência, no entanto, não limitava-se a esses atos. Mallet (1887), ao fazer uma alusão a relatos históricos anteriores, refere-se a um palácio majestoso que foi construído nas margens do Bósforo e que servia de refúgio para mulheres infelizes e ex-prostitutas que Teodora resgatou das ruas de Constantinopla. Para torná-lo um benefício duradouro, ela dotou o palácio de uma ampla renda em dinheiro e acrescentou muitos edifícios notáveis, para que essas mulheres nunca fossem obrigadas a abandonar a prática de uma vida virtuosa. Além disso, antes de Teodora ser imperatriz, estuprar uma mulher de classe baixa ou um escravo não era ilegal, “mas ela promulgou uma lei que torna o estupro de qualquer mulher punível com a morte”, afirma Nilsson (2009). Mulheres agora eram protegidas pela lei de crimes sexuais. Por fim, as mulheres acusadas de crimes graves também foram beneficiadas, pois foi aprovada legislação que estabelecia que elas deveriam ser encaminhadas para um convento ou custodiadas por mulheres de confiança, visando garantir sua proteção.

Embed from Getty Images

Imperatriz Teodora e seu apoio aos direitos femininos

Procopius (1996) escreve que a Imperatriz Teodora “era naturalmente inclinada a ajudar as mulheres na desgraça”. Embora não possamos ter certeza de até que ponto suas ações caritativas surgiram de um carisma natural, podemos ter certeza de que seu efeito foi virar a maré de silêncio predominante. Ela trouxe luz para a alta prevalência de violência contra mulheres e meninas e lutou por seus direitos. Como Garland (1999) argumenta, ‘Sem dúvida ela trouxe mais conhecimento para lidar com os problemas sofridos pela classe baixa do que a usual grande dama de Bizâncio, e seria razoável supor que suas medidas tiveram mais sucesso do que o habitual’.

Hoje em dia, a lembrança de Teodora não é apenas capaz de desencadear um sentimento de nostalgia, mas sim servir como um motivador fortemente promissor para o futuro de um mundo em mudança. Seu feminismo, consequentemente, pode ser considerado visionário; aquele que conseguiu instigar uma mudança de percepção em relação à dignidade feminina em muitos aspectos, desde o respeito à castidade do corpo feminino, até dar à mulher o direito de escolher seu próprio destino na vida. Seu feminismo também pretendia pavimentar o caminho para as realizações posteriores de proponentes de uma sociedade igualitária, porque, como afirmado de forma ressonante em outra lei de sua época:

‘Aos olhos de Deus não há homem ou mulher, nem homem livre, nem escravo’.

Esse post é uma tradução e adaptação das fontes a seguir: Diggit MagazineAOAncient EU

Referências
Austin, Cheridan E., ” Sex and Political Legitimacy: an Examination of Byzantine Empresses (399 -1056 ce) ” (2010). Honors College Theses. 94

Barker, J. (1966). Justiniano e o posterior império romano. Madison: University of Wisconsin Press.

Diehl, C. (1979). Retratos bizantinos (H. Bell, Trans.). Nova York: AA Knopf.

Diehl, C. (1905). Teodora, imperatriz de Bizâncio [Theodora, imperatriz de Bizâncio], (5ª ed. Ed.). Paris: H. Piazza.

Garland, L. (1999). Imperatrizes Bizantinas: Mulheres e poder em Bizâncio, AD 527-1204. Londres: Routledge.

García-Moreno C., Zimmerman c., Morris-GehringA. , Heise L., Amin A., Abrahams N., Montoya O., Bhate-Deosthali P, Kilonzo N, Charlotte Watts (2015), Violence against women and girls. Enfrentando a violência contra as mulheres: um apelo à ação, Papers WHO.

Gregory, T. E. (2005) A History of Byzantium. Malden: Blackwell Publishing.

Horner, T., Paulin, J., Stackhouse, H., Stephen, C. (2010, 19 de março) The status of Byzantine Women .

James, L. (2001). Imperatrizes e poder no início de Bizâncio (Mulheres, poder e política). Londres: Leicester University Press.

James, L. (2009). Homens, mulheres, eunucos: gênero, sexo e poder. Em J. Haldon, The Social History of Byzantium. Blackwell Publishing Ltd.

Korte, N. E. (2004). O retrato de Teodora de Procópio na história secreta: ‘Sua caridade era universal’. Hirundo, Vol.3 (2004)

Lankila, T. (2008) “The Unkown Empress: Theodora as a Victim of Distorted Images.” Linguagem e imaginação científica: 113. Web. 3 de fevereiro de 2010.

LeBel, K., McLaughlin, M. (nd) The Byzantine Empress Theodora . 1-5.

Mallet, CE (1887). “A Imperatriz Teodora.” The English Historical Review: 1-20. Rede. 15 de fevereiro de 2010.

Nilsson, C. (2009). “Perspectivas de poder: mulheres imperador bizantino.” Preteritus 1: 4-13.

Procópio de Cesaréia, A História Secreta, conforme citado em: “ Procópio, A História Secreta ”. (1996)

Teall, J., & Barker, JW (1967). Justiniano e o posterior império romano. The American Historical Review, 72 (3), 941-941. doi: 10.2307 / 1846682

Thomas, JC (2005). A lei de Justiniano aplicada às mulheres e famílias .

Vasiliev, A. (1958). História do império bizantino (2ª ed. Inglesa ed.). Madison: University of Wisconsin Press.

V., Fagles, R., & Knox, B. (2008). A Eneida (edição de luxo dos clássicos da Penguin). Nova York: Penguin Books.

Be First to Comment

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *