Júlio Cesar – William Shakespeare


por Rodrigo Alves Correia – Doutor em Ciência Política

Júlio César William Shakespeare – Minha indicação para entender política. Esse é um livro legal para entender o jogo do poder. Shakespeare mostra como a política pode ser traiçoeira.

The Tragedie of Julius Caesar, no original inglês é uma peça escrita em cerca de 1599. Uma das melhores obras de Shakespeare, Júlio César é a mais famosa de suas tragédias romanas. A peça retrata um grupo de conspiradores liderados por Cássio e Bruto, em seu plano de assassinar o ditador romano. Boa parte dela trata das consequências deste ato.

César não é a personagem principal, ele aparece em apenas três cenas. Marco Júnio Bruto é o verdadeiro centro da obra, e é ele que a peça acompanha desde o planejamento do assassinato até suas consequências. Apesar de sua grande qualidade histórica, a peça contém elementos de anacronismo, ou seja, apesar de ser ambientada na antiguidade clássica romana, peças de cenário, vestuário e mesmo falas das personagens são características do séc. XVI.

Júlio César é alertado por um vidente dos idos de março, mas não dá atenção. Calpúrnia, sua esposa, havia tido um sonho ruim e pede para que não vá ao senado no dia do assassinato. Novamente o alerta é ignorado. A surpresa absoluta de César diante da presença de Bruto, seu amigo entre os assassinos é uma boa mostra de como os meandros da política podem ser traiçoeiros mesmo para os mestres da arte.

Os discursos de Bruto e de Marco Antônio são muito eloquentes e mostram bem o caráter das personagens e do jogo político que cerca suas atitudes. Após assassinar César por sua ambição desmedida colocar em risco a República romana, Bruto afirma: “Guardarei o mesmo punhal, para mim próprio, quando minha Pátria necessitar, que eu morra”.

Vale a leitura!

O Autor

William Shakespeare (1564-1616) foi um dramaturgo e poeta inglês. Conhecido como “O Bardo”, Shakespeare é tido como um dos maiores escritores e poetas da literatura inglesa e mundial. Nasceu em Stratford-upon-Avon, no condado de Warwick, Inglaterra, no dia 23 de abril de 1564. Filho de John Shakespeare e de Mary Arden, seu pai foi comerciante de lã e chegou a tesoureiro e prefeito de Stratford. É autor de tragédias famosas como “Hamlet“, “Othelo“, “Macbeth” e “Romeu e Julieta.

Algumas das frases mais famosas de Shakespeare:

“Ser ou não ser, eis a questão”

“O amor é a única loucura de um sábio e a única sabedoria de um tolo.”

“Herege não é aquele que arde na fogueira e sim aquele que a acende.”

“Eu aprendi, que ninguém é perfeito, até que você se apaixone por essa pessoa.”

“Somos feitos da mesma matéria que nossos sonhos.”

“O destino é o que baralha as cartas, mas nós somos os que jogamos.”

“Aprendi que deveríamos ser gratos a Deus por não nos dar tudo que lhe pedimos.”

Deixa um comentário